sexta-feira, 14 de outubro de 2022

PRIMEIRO SANGUE

asswcees

Coronel Samuel Trautman: Acabou Johnny. Acabou.

Rambo: Nada acabou senhor, nada. Não se consegue parar. A guerra não era minha. Você me chamou, eu não pedi pra ir. Fiz o que tinha que fazer , mas não deixaram a gente ganhar.

Eu volto para o mundo é vejo aqueles idiotas no aeroporto, protestando e me chamando de assassino de bebes e todo tipo de besteira. Quem são eles para protestarem contra mim? Quem são eles? Se tivessem na minha pele, pelo menos saberiam porque estavam gritando.

Coronel Samuel Trautman: Foi uma época ruim, Rambo. Pertence ao passado agora.

Rambo: Para você. Para mim a vida civil não é nada. No campo temos um código de honra. Você cuida de mim, eu cuido de você. Aqui não tem nada.

Coronel Samuel Trautman: Você é o último de um grupo de elite. Não acabe com tudo assim.

Rambo: Na guerra eu pilotava avião, dirigia tanques e usava equipamentos de milhões. Aqui eu não arrumo emprego nem como manobrista.

O que é isso? Jesus! Meu Deus! Onde está todo mundo. Os caras. Eles eram meus amigos. Eu gostava deles. Eu tinha amigos. Aqui eu não tenho nada.

Lembra da nossa equipe no Vietnã? Eu peguei uma daquelas coisas mágicas é disse: “Joey,achei”. E eu a envie para Las Vegas. Falávamos sempre de Las Vegas e de um carro. Um Chevy 58, vermelho, ele sempre falava do carro. Ele dizia que íamos rodar até os pneus furarem.

Havia um celeiro e um garoto se aproximou. Ele estava com uma caixa de engraxate e perguntou: “Vai graxa aí? Por favor”. Eu disse: não. Ele perguntou de novo , e o Joey disse “sim”. Então eu fui buscar uma cerveja. Era uma armadilha, a caixa explodiu e espalhou o corpo dele por todo o lugar.

Ele ficou lá gritando feito um louco, e os pedaços dele estavam em cima de min. Eu tive que empurrá-lo. Meu amigo estava espalhado em cima de min, tinha sangue por todo lado e eu tentava mantê-lo vivo. Tentava juntar as partes dele, mas as tripas estavam saindo e ninguém podia ajudar.

Ele dizia: “Eu quero ir pra casa”. Ele ficava repetindo isso. “Eu quero ir para casa”. “Eu quero dirigir o meu Chevy”. Ninguém conseguiu encontrar as pernas dele. Eu não encontrei as pernas dele. Isso não sai da minha cabeça. Foi há mais de sete anos. E todos os dias eu penso nisso. Eu não converso com ninguém. Nenhum dia, nenhuma semana. Eu não tiro isso da minha cabeça.


Female Prisoner #701: Scorpion


 

clássico pornô

behind-the-green-door-marilyn-chambers

atrás da porta verde

quinta-feira, 13 de outubro de 2022

O CRIME E CASTIGO DE BATMAN

batman-001

batman-004

batman-009

Apenas algumas páginas.


JIMMY CORRIGAN

O GAROTO MAIS ESPERTO DO MUNDO.

masters2

Seria literatura de primeira grandeza não fosse uma obra perfeita dos quadrinhos.

zeca_ware031

Imagens alinhadas perfeitamente com as palavras.

zecaware_0211

Escrito por Chris Ware. (Quando vão publicar mais obras suas aqui?)

6a00e3981d8c158833012875fe3412970c-800wi

Enfim, LEIA.

PARIS, TEXAS

5

(1) DESERT LANDSCAPE Exterior, Day
A fissured, empty, almost lunar landscape -- seen from a bird' s-eye view.
The camera hovers over it.
In the distance, a lone man appears; he is crossing this desert.
A hawk lands on a boulder.
The man stops, looks at the bird. Then he drinks the last drops of water from a large plastic bottle.
He is wearing a cheap Mexican suit, a red baseball cap and sandals with bandages wrapped around them. His clothes are covered with dust and soaked with sweat. He has been walking for a long time. This is Travis.
Travis throws away the empty plastic bottle, and continues on his way across the bleak, hot plains that lie before him.

 Paris, Texas, seqüência inicial, filme de Wim Wenders, roteiro de Sam Shepard.

Do Trechos de livros e afins.

HILARIANTE

vlcsnap-28842

- You said Guatemala, man,not El Salvador. Come on, I've never beenout of the country. They kill people here, Boyle.

- You believe everything in the papers? You'll love it here. Give me the joint.This is my last chance, man.I'm serious. If I can get some good combatshots for AP, I can make some money. I could pay you back.

-Better pay me back.

-We'll head for La Libertad...the best surfing beachin the world.Good times, kick back for a fewmonths. It'll be fantastic.You could live in this country for bucks a year.

- What the fuck is this?

- Mace.

- Mace? For what?

- Wild dogs.

- Yeah, wild dogs? That's bullshit.You've lied to me straight through.

- Want me to be honest with you?

- What are you doing with all these?

- Here you could have a life.

- What are all these?

- They come in handy.

- You're gonna love it here, Doc.

- I'm going home, man.

- You can drive drunk...and get anybody killed for 10$ .

- I don't want to.
- The best pussy in the world.Where else can you get a virginto sit on your face for seven bucks? Seven bucks.

- It better be the best pussyin the world...or I'm going home.

- Two virgins for twelve.

- You're just lucky I'm fucked up,you know that?

- Drugs? No prescriptions. They gotstuff that keeps you hard all night. All these people want to do is fuck.

- Twelve bucks? I think we can get them down.

- Now you're talking.

- You're such an asshole, Boyle.

- You're gonna love this place.You're gonna be in pig heaven, man.

Salvador. Oliver Stone.

Do Grandes Planos. Clique na imagem.

BEN-HUR

tumblr_l2pll7RP3k1qzbykto1_500

dirigido por William Wyler.

Cada Oscar foi realmente merecido.

BEN GRIMM P.I.

thing_pi_low

Hello Pulp Friends,
I did the above fake cover as (a bit silly) take on Ben Grimm for Comic Twart - inspired by an initial headsketch of Ben with fedora-like and coat on by Ramon Perez, sketch that I inked and transformed in the above cover.
This morning I couldn't help to do another take on this noir Ben Grimm as warmup sketch and the result is the above (quick) splash page that could actually open the story, which is...

thing_pi_02_low
Synopsis:
What if Ben and Reed part ways (not in a good way). After a few years Ben is a PI and (femme fatale) Sue steps in his office. She wants Ben investigating on the murder of Mr Fantastic.
How does that sounds for a NOIR take on the FF? :) Now if only I could find anyone at Marvel who lets me do it ;)
I am reposting these here becuase I think they belong here :)

Cheers,
Francesco Francavilla


DE SOPHIE CRUMB

tit&gun

bysoph'08

watercolorfromVICE'09

skbook2009--

Filha de Robert Crumb.

DEADWOOD

tumblr_l4jrgea9wY1qbiueao1_500

Western sujo. Violento. Amoral. Obra prima.

DIAS EM QUE ME SINTO ASSIM:

macacos

Como um macaco com uma máquina de escrever.

ROTEIRO DE SUNSET BOULEVARD

sunset

SEQUÊNCIA “A”

A-1:

INICIAR o filme com o nome da rua: SUNSET BOULEVARD, pintado em um meio-fio. Na sarjeta há folhas caídas, pedaços de papel, fósforos usados e pontas de cigarro. É de manhã cedo.

A CÂMERA então deixa o nome da rua e MOVE-SE PARA O LESTE, o asfalto cinzento da rua preenche a tela. Conforme a velocidade aumenta para cerca de 60 km/h, vai passando a sinalização de trânsito pintada no chão, setas brancas, avisos de limite de velocidade, tampas de bueiro etc. SOBREPOSTOS a isso aparecem os CRÉDITOS, no mesmo estilo do nome da rua.

Depois do último crédito, TOMADA PANORÂMICA DA PARTE DE TRÁS DE UM VEÍCULO EM MOVIMENTO.

É um carro funerário do condado. A placa tem os seguintes dizeres: CALIFÓRNIA, 1949 – e um número. A moldura metálica em volta da placa está marcada com as palavras LOS ANGELES.

TOMADA PANORÂMICA MAIS ALTA. Ao longo da traseira do carro funerário está escrito INSTITUTO MÉDICO LEGAL.

MUDANÇA GRADUAL PARA:

A-2: O CARRO DO INSTITUTO MÉDICO LEGAL ENTRA EM UM BECO QUE LEVA AO NECROTÉRIO DO CONDADO.

O carro pára em frente a um portão fechado de barras de aço. Na parede há uma placa: BUZINE. O motorista buzina. Um servente abre o portão. O carro passa por ele indo para

A-3: UM TÚNEL e depois para

A-4: UM PEQUENO PÁTIO

O carro funerário vai, de ré, até uma plataforma de descarga e a buzina volta a soar. Dois serventes vestidos de branco saem do necrotério enquanto o motorista e um funcionário sonolento descem do carro funerário.

Os serventes abrem a porta traseira do veículo e retiram uma maca hospitalar com rodas na qual está um cadáver coberto por um cobertor marrom. Só aparecem os pés do cadáver, com meias baratas de algodão e mocassins desgastados. Estão encharcados. PANORÂMICA acompanhando os pés enquanto a maca é levada para uma pequena sala próxima à entrada do edifício e ali é parada.

MUDANÇA GRADUAL PARA:

A-5: MESMO ÂNGULO

O cobertor foi substituído por um lençol. Os pés estão descalços. As mãos de um servente entram na cena e colocam uma etiqueta no dedão do pé esquerdo do cadáver. FOCO NA ETIQUETA. Em caligrafia comum está escrito:

JOSEPH GILLIS

HOMICÍDIO

17/05/49

MUDANÇA GRADUAL PARA:

A-6: O PRÓPRIO NECROTÉRIO

Um servente leva a maca com Gillis morto para uma sala enorme, sem mobília e sem janelas. Encostados nas paredes estão vinte e tantos corpos cobertos por lençóis, dispostos em filas de macas com números grandes pintados na parede acima de cada maca. O servente empurra Gillis para um lugar livre. Além dele, os pés de outros cadáveres estão para fora dos lençóis: pés de homem, de mulher, de criança; dois ou três negros – todos com uma etiqueta pendurada no dedão do pé esquerdo.

O servente sai e apaga as luzes. Por um momento a sala fica na penumbra, então a música torna-se mais viva, um brilho estranho emana dos corpos sob os lençóis. A longa fila de etiquetas balança com o movimento do ar provocado pela ventilação.

(Nota: todas as vozes da cena seguinte soam de modo peculiar e oco).

UMA VOZ DE HOMEM: Não se assuste, há vários de nós aqui. Está tudo bem.

GILLIS: Não estou com medo.

A cabeça dele não se move, mas os olhos se movem devagar em direção à maca próxima a ele. Ali, sob um lençol quase transparente, está um homem gordo de uns 60 anos. Os olhos dele também estão abertos e voltados para Gillis.

HOMEM GORDO: Como é que você morreu?

GILLIS: Que diferença isso faz?

HOMEM GORDO: Morri de ataque cardíaco. Eu vinha morar aqui em Los Angeles. Tinha uma boa aposentadoria do Seattle City Bank e uma linda casinha toda arrumada. O corretor ia me mostrar o abacateiro quando começou.

GILLIS: É uma pena.

HOMEM GORDO: A sorte é que eu não tinha assinado o contrato.

(Pequena pausa).

GILLIS: E eu me afoguei.

(Em uma maca situada em frente à parede oposta está um garoto loiro de onze anos, o seu rosto de criança inchado também observa através do lençol transparente).

GAROTO: Eu também. Eu me afoguei. Perto do píer no Ocean Park. Apostei com Pinky Evans que podia ficar embaixo d´água mais que dois minutos e consegui.

(Sob outro lençol está um negro robusto).

NEGRO: Você saberia dizer se o Satchel Paige venceu o White Sox ontem?

GILLIS: Não, não sei. Morri antes que o jornal da manhã chegasse.

NEGRO: Que maldição! Eu estava trazendo laranjas do San Berdoo, e sintonizei nos resultados do beisebol quando ela bateu em mim – bum! Uma dona num Chevy cupê que ficou todo amassado e parecia uma tartaruga virada. Dava para pensar que eu ia escapar num caminhão de duas toneladas. Ha, ha! Ela saiu se arrastando e acendeu um cigarro e eu fiquei lá, morto no cruzamento, no meio das laranjas.

GAROTO: Eu queria que meus pais viessem me buscar.

(Sob outro lençol está uma mulher de meia-idade).

MULHER: Eles virão. Não se preocupe.

GAROTO: Acha que eles vão ficar bravos comigo?

MULHER: Não, não vão. Eles virão buscá-lo, e vão trazer flores e vão levá-lo para um lugar ensolarado e verde e colocá-lo para dormir para ter lindos sonhos.

HOMEM GORDO: Deveria haver mais salva-vidas, com tantos impostos que pagamos./ Para Gillis: Onde você se afogou? No mar?

GILLIS: Não. Piscina.

HOMEM GORDO: Um homem forte como você?

GILLIS: Bem, fizeram uns buracos em mim. Dois no peito e um na barriga.

HOMEM GORDO: Foi assassinado?

GILLIS: Sim, fui.

(Os olhos do gordo se movem para o canto oposto da sala).

HOMEM GORDO (em tom confidencial): O número 7 também foi assassinado. Cara interessante. Era corretor de apostas, ele me disse. Trabalhava para uma agência do leste. Bastou ele começar a arrecadar apostas para si mesmo e mandaram uns homens de Chicago. Fico pensando se a polícia vai um dia desvendar o crime.

GILLIS: Nunca vão desvendar o meu.

(Com um leve sorrido maldoso): Ia ser engraçado ficar aqui como um quebra-cabeça embaralhado, com a polícia e os colunistas de Hollywood tentando encaixar as peças erradas.

HOMEM GORDO: Hollywood? Você é do cinema?

GILLIS: Sim, cheguei em 45, porque queria ter uma piscina. E no fim eu consegui uma. Só que tinha sangue nela…

(Billy Wilder, D. M. Marshman Jr. e Charless Brackett, 1949)

Vi no Análise Indiscreta. E falando nisso, cara, que ótimo blog sobre cinema. Recomendadíssimo.

ALGO ALÉM

Sergio-corbucci-banner

Em meus westerns há sempre algo além do aventuresco e do espetacular, “Django” era um filme sobre racismo e intolerância, “Navajo Joe” era contra o assassinato em massa dos índios, “Gli Specialisti” era um filme contra a opressão das classes ricas. Era um tempo em que os hippies estavam na moda e então eu decidi colocar alguns hippies fumando cannabis na cena final... Também tinha uma cena em que um dos personagens queimava dinheiro e isso irritou muitas pessoas.

Sergio Corbucci


PERFECT BLUE

tumblr_l9zxj9gIC31qzbykto1_1280

Dirigido por Satoshi Kon.

DEIXE ELA ENTRAR

tumblr_lazxtpKNxm1qz9qooo1_1280

O OURO DE MACKENNA

tumblr_l3l8zfVJEV1qat5gjo1_1280

De J. Lee Thompson.

PIERROT

José Marcelo

enfaixada

A mulher calou-se. Apertava o volante com tanta força que seus dedos estavam brancos demais, como mármore gelado.

__ O que você vai fazer? __ perguntou ela.

O homem desfigurado observava a casa nua através do pára-brisa imundo. Ele pegou a arma no porta-luvas e abriu a porta do carro com a mão enfaixada, manchada de sangue, trêmula. Saiu andando devagar pela estrada enlameada.

A mulher também desceu.

__ Isso vai dar em nada, a não ser dor __ disse ela.

A floresta à beira da estrada parecia uma mortalha, silenciosa e exalando um odor carregado, enquanto ambos se aproximavam da casa.

A mulher disse:

__ Vamos embora.

__ Não.

__ Não? Por que não?

__ Não. Só isso. Não.

__ Você quer morrer?

O homem olhou-a demoradamente, mas sem diminuir o passo, para que ela pudesse ver as cicatrizes, as marcas, a dor. Ela não pareceu abalar-se:

__ Isso não é motivo.

__ É o suficiente.

__ Eu te peço. Não faça isso. Não.

__

__ Você não tem medo?

__ Nada.

__ Como?

__ Antes eu sentia medo, raiva, vontade de chorar, um monte de coisas.  Sentimentos. Agora, agora eu não sinto nada.

__ Deixa pra lá, por favor, deixa pra lá. Esquece. Não faz isso. Eu te peço.

__ Você devia ter ficado no carro.

Ela parou. Começara a chover, uma chuva fina e fria. A chuva pesou sobre seus cabelos e ela ficou olhando o homem desfigurado entrar na casa.

Fechou os olhos e esperou pelo barulho dos tiros.

BIG BAD SIS

1aa

TIFFANY

T

LADY VINGANÇA

lady

ESTA NOITE ENCARNAREI NO SEU CÁDAVER

tumblr_leu0rj19ro1qzzxybo1_500

Dirigido por José Mojica Marins.

FILMES DE UM UNIVERSO PARALELO

the spider

 2001_kurosawa

 inception_fuller

 matrix-boorman

Vi no Trabalho Sujo.

SEMÁFORO MORAL

91-fisherking-screenshot

__ Un tipo trabaja 8 horas al día, 7 días a la semana. Se le hinchan las pelotas y empieza a dudar de la naturaleza de su existencia. Un día, a punto de salir su jefe le llama y le dice: “Bob, ven aquí y lámeme el culo”. Y él dice: “Al carajo. Me da igual lo que pase. Quiero ver la cara que pone cuando le clave las tijeras en el brazo”. Entonces piensa en mí. Dice: “Un momento. Tengo dos piernas y dos brazos. Y al menos no pido limosna”. Seguro que Bob deja las tijeras y saca la lengua. Yo soy una especie de semáforo moral. Es como si dijera: “Luz roja, no sigas”.

Tom Waits en El Rey Pescador (Terry Gilliam, 1991).

Pere Koniec.

2046

1valido

Movies in frames.

MULHER MARAVILHA DETETIVE PARTICULAR

WW41caf

Jaime Hernandez

SOBRE TRABALHO

William-Faulkner-1897-1962

ENTREVISTADORA

Que tipo de trabalho o senhor fazia para ganhar aquele “algum dinheiro de vez em quando”?

FAULKNER

Tudo o que aparecesse. Eu podia fazer um pouco de quase tudo — dirigir barcos, pintar casas, pilotar aviões. Nunca precisei de muito dinheiro, porque a vida em Nova Orleans era barata nessa época, e tudo o que eu queria era um lugar para dormir, um pouco de comida, fumo e uísque. Havia muitas coisas que eu podia fazer por dois ou três dias, ganhando o suficiente para passar o resto do mês. Sou, por temperamento, um vagabundo, um erradio. Não quero dinheiro tanto a ponto de ter de trabalhar por ele. Na minha opinião, é uma pena haver tanto trabalho no mundo. Uma das coisas mais tristes que existem é que a única coisa que um homem pode fazer durante oito horas por dia, todos os dias, é trabalhar. Você não pode comer oito horas por dia, nem beber oito horas por dia, nem fazer amor por oito horas — só trabalhar é o que você pode fazer por oito horas. E é por essa razão que o homem faz a si mesmo e a todos os outros tão miseráveis e infelizes.

O HORROR NAS ILUSTRAÇÕES DE TATSUYA MORINO

t_morino_monster_1

t_morino_monster_2

t_morino_monster_11

t_morino_monster_20

Frankenstein. A mosca da cabeça branca. Os crimes da Rua Morgue. O chamado de Cthulhu.

Pink tentacle.

PROVAVELMENTE UM GÊNIO

tumblr_lh1u9b69kv1qfssuwo1_500

“I don’t like doing most things unless I can do them quite well” ~ Oliver Reed. Legend. Hellraiser. Drunken Hero.

Doctorinsermini.

VESTIDO DE RENDA

José Marcelo

tumblr_ljjnjwBRxN1qfewdgo1_500

Ela sentou-se, as mãos em feridas descansando sobre a renda clara do vestido.

__ O que aconteceu? __ perguntou o marido. Era uma pergunta sem nenhuma curiosidade: ele não se importava, não mais, talvez nunca. Ele estava parado, sem camisa, diante da janela, e ela olhou para as marcas das chicotadas nas costas dele, antigas mas suficientemente recentes para ainda doerem. Uma dor mais da alma que da carne. Ele olhou-a e repetiu a pergunta.

__ Eu estava cavando.

__ Cavando?

__ Eu queria sair. Eu não queria ficar lá, sozinha debaixo da terra.

Ele não disse nada. Entrou um vento como um uivo pela janela e o uivo fez a mulher desaparecer como areia que fora soprada.

ANRI

anri_okita_007

O PRISIONEIRO

screenshot-med-08

screenshot-med-09

screenshot-med-13

screenshot-med-24

screenshot-med-29

Quando eu era moleque queria ser um espião dos anos 1960’s.